Todos os anos, a EA Alumni realiza o Programa Conquistar, programa de mentoria profissional que tem o objetivo de acelerar o crescimento dos alunos da Escola de Administração da UFRGS, e que já apoiou mais de 100 alunos desde a sua concepção. O objetivo fundamental por trás do programa está em estimular o surgimento de novas lideranças formadas na Escola, enfatizando a capacidade e o compromisso que esses possuem em atuar como alavancas fundamentais para a transformação da nossa realidade.

Ao longo do Conquistar, os alunos se conectam entre si por meio de encontros coletivos e têm a oportunidade de estar ao lado de um mentor padrinho, um ex-aluno da Escola de Administração, referência em sua área de atuação, e que encontra-se genuinamente interessado em ajudar o seu mentorado a dar o próximo passo. Trata-se de uma conexão com o poder de transformar.

Mas, como aproveitar ao máximo dessa aproximação?

Compartilho nesse artigo algumas boas práticas que identificamos nesses últimos anos em que o Conquistar foi realizado, para que uma relação entre mentor e mentorado se faça, de fato, bem sucedida. 

Primeiro – pré mentoria: 

Antes da conversa com o mentor, refletir sobre si, enumerando as principais dúvidas e incertezas pessoais. Quais são os pontos chaves que eu gostaria explorar junto ao meu mentor? Refletir sobre a resposta a essa pergunta permitirá que o primeiro encontro seja produtivo, com próximos passos claros e resultados efetivos. O aprofundamento e a priorização dos tópicos a serem tratados, se dará em um segundo momento, na primeira conversa com o mentor. Um parênteses relevante: é bastante comum estarmos imersos em nosso dia a dia, ocasionando a dificuldade para, sozinhos, diagnosticar e priorizar os nossos desafios profissionais. Em paralelo ao processo de reflexão, está a preparação, estudando a fundo o perfil do mentor. Esse passa a ser um dos momentos principais para que o apadrinhamento seja um verdadeiro sucesso. 

Na sequência – o durante a mentoria:

Após ter se preparado, é hora de aproveitar ao máximo o momento. No início da conversa, está a importância de compartilhar com o “kimono aberto” uma visão geral sobre si, as dúvidas e os objetivos. Do outro lado, o mentor poderá fazer algumas perguntas e se apresentar mais a fundo. Tem-se, a partir daqui, um bom contexto e o alinhamento de expectativas para que se possa dar profundidade à conversa.

O mentor utilizará de suas vivências e capacidades pessoais para trazer conselhos, boas perguntas ou provocações. Esse é um ponto importante. O mentor não necessariamente dará as respostas, na maior parte das vezes ele não dará nenhuma. Porém, fará as perguntas e as provocações certas, de forma neutra e genuína, para que o mentorado possa buscar as suas próprias conclusões.

O mentorado deverá estar atento e aberto, compartilhando as suas dores, ouvindo e anotando o que for compartilhado. Dessa maneira, será possível refletir e endereçar os pontos com assertividade após a mentoria. Ao final, para finalizar em bom tom, mentor e mentorado compartilham feedbacks entre si e definem quais serão os deveres de casa, garantindo próximos passos claros, com entregas e prazos bem definidos.

Por fim – pós mentoria

Com o consolidado dos aprendizados e a clareza dos próximos passos, entra-se em um período de reflexão pessoal e execução daquilo que foi combinado. Em complemento a isso, está a manutenção da relação do mentorado com o seu mentor, ao dar feedbacks constantes e compartilhar os avanços e desafios. Esse tipo de contato é positivo para a evolução do desafio, além de contemplar um dos principais prazeres para aquele que mentora: a execução dos combinados, os resultados alcançados e os feedbacks realizados.

Mais alunos podem (e devem) buscar a oportunidade de fazer mentorias como maneira de potencializar a si. Uma das oportunidades está no Programa Conquistar, que tem o seu processo seletivo realizado anualmente, no início do ano. Além disso, há uma série de eventos e maneiras se relacionar com  EA Alumni que poderão ser acompanhadas através do link.

Eduardo Afonso
Regional Manager na Endeavor Brasil
Formado em Administração na UFRGS em 2017

Leave a Reply

Se você é ex-aluno, conecte-se a rede EA Alumni

X
×

Powered by WhatsApp Chat

× How can I help you?